A boa alimentação é um hábito que todos devemos cultivar para prevenir doenças e ter disposição para trabalhar, estudar e curtir o lazer. Ao gerar uma nova vida, a nutrição ganha papel de destaque, pois está diretamente envolvida no desenvolvimento do feto e na saúde da futura mãe. Sendo assim, a alimentação para gestantes deve ser o mais saudável possível para que tudo corra bem, não só durante os nove meses da gravidez, mas também no parto e pós-parto.

Uma pesquisa apontou que 73% das mulheres grávidas afirmam que sua maior preocupação é ter uma alimentação saudável, seguido de manter a saúde mental (14%), ter sono reparador (9%) e praticar exercícios físicos (3%). No entanto, existe o desafio da rotina atribulada das mulheres que trabalham, estudam e cuidam dos afazeres domésticos.

São fatores que dificultam a adoção de hábitos saudáveis. Por isso, é importante que os pais e as famílias da gestante acompanhem esse processo, ao estimular e contribuir para a boa alimentação da futura mãe. Os pais, inclusive, devem se alimentar bem antes da concepção, pois a qualidade de sua nutrição também interfere na saúde do bebê.

Benefícios da boa alimentação para gestantes:

Ter hábitos saudáveis de nutrição contribui para a gravidez saudável e o bem-estar da mãe. Além disso, traz benefícios, como:

  •  Prevenção de doenças e complicações, como a diabete gravídica e a hipertensão;
  •  Garantia de reservas nutricionais para o parto e o pós-parto;
  •  Contribuição para o sucesso da amamentação;
  •  Favorecimento do ganho de peso saudável para a gestante

É fato que a mulher vai ganhar alguns quilos a mais durante a gravidez. Existem faixas de peso recomendadas pelo Instituto de Medicina (IOM) dos Estados Unidos que variam conforme o índice de massa corporal (IMC) da mãe antes da gestação. Confira:

  •  Baixo peso (até 18,5 IMC): 12 a 18 kg
  •  Peso normal (18,5 a 24,9 IMC): 11 a 16 kg
  •  Sobrepeso (25 a 29.9 IMC): 7 a 11 kg
  •  Obeso (30 ou mais IMC): 5 a 9 kg

Agora que você conhece as vantagens da boa alimentação para gestantes, confira as dicas para incluir mais saúde no seu prato.

 

15 dicas de alimentação para gestantes

1) Faça pelo menos 3 refeições ao dia e 3 lanches saudáveis de forma intercalada, com intervalo aproximado de 3 horas entre cada uma.

2) Prefira alimentos de origem natural, fuja dos industrializados. As farinhas integrais, por exemplo, são boas fontes de fibras, vitaminas e minerais.

3) O tradicional arroz e feijão é uma ótima opção para o almoço, pois apresenta uma combinação equilibrada de nutrientes.

4) Consuma cereais integrais, que ajudam no funcionamento do intestino

5) Coloque carboidratos no prato, mas com moderação, sem exageros

6) Facilite a absorção de ferro com o consumo de leguminosas – como feijão, lentilha e grão de bico – associados a produtos com vitamina C – como laranja, acerola, goiaba, caju e limão.

7) Coma 3 frutas diferentes por dia, de preferência, com cores diferentes. Use e abuse de verduras e legumes frescos e encha seu prato de vitaminas e nutrientes.

8) Evite o sal e dê preferência aos temperos de origem natural, como azeite, cebola, alho, cúrcuma, salsinha, cebolinha, ervas frescas etc.

9) Consuma 3 porções de laticínios ao longo do dia, para ajudar a formar e fortalecer a estrutura óssea e os dentinhos do bebê.

10) Varie as proteínas da sua alimentação, consumindo carne, frango, peixe, ovos em dias alternados. De preferência, retire a pele e a gordura da carne ao prepará-la, para deixá-la mais saudável.

11) Escolha vegetais que são ricos em ácido fólico, como brócolis, espinafre, repolho, couve, agrião, rúcula, almeirão, escarola.

12) Faça uso de gorduras saudáveis, como óleo de canola e azeite extra virgem. Além disso, faça lanches saudáveis com castanhas, nozes e amêndoas. Peixes gordurosos também são excelentes, como o salmão, a sardinha e a cavalinha.

13) Fuja de lanches e sucos industrializados, bolachas recheadas e refrigerantes, entre outras guloseimas. Se der vontade de comer doces, opte pelo chocolate meio amargo ou 70% cacau.

14) Reduza o consumo do café e evite tomá-lo após o leite ou outro alimento rico em cálcio, pois pode prejudicar sua absorção. A cafeína não é indicada para as grávidas, e também está presente no chá verde e alguns refrigerantes. O limite é de 3 xícaras de café ao dia.

15) Tome água com frequência ao longo do dia. O ideal é consumir, no mínimo, 2 litros diariamente.

Conclusão

A boa nutrição ajuda a controlar o ganho de peso – que é natural na gestação, mas que pode se manter dentro do esperado para essa fase. Se for saudável e equilibrada, a alimentação para gestantes pode contribuir de forma decisiva para o desenvolvimento do feto.

Além de manter uma boa alimentação, é fundamental cortar o uso do cigarro e evitar o consumo de bebidas alcoólicas. A prática de exercícios físicos, dentro das condições adequadas para a mãe, é altamente recomendada para a manutenção da saúde.